Nova mixtape do colectivo portuense FACA MONSTRO. Texturas sonoras, beats pesados, gravações de campo imprevisiveis. Uma amálgama de malhas assinadas por alguns dos musicos mais produtivos da Invicta: HHY, GHUNA X, EXPAWN, ACELORIA, SOL SISTEMA, 1WAY, CHALLENGER, MISTY WAYS, entre outros...

Misturado por Dj One Erection  / capa de  Bruno Borges

Esta mixtape vai estar a rodar no stream da em horário flutuante. Também a podes ouvir AQUI.

Outros links:

Entrevistas na

Audience Engine, a New Digital Platform to Make Independent and Public Media Sustainable

Independent Radio Legend WFMU Teams with Leading Software Developer Bocoup to create Audience Engine, a New Digital Platform to Make Independent and Public Media Sustainable 

$100,000 Grant from Geraldine R. Dodge Foundation, Completes First Round of Private Investment ($200,000)

WFMU, the New Jersey-based independent public radio powerhouse, today announced a $100,000 grant from the Geraldine R. Dodge

Foundation in support of Audience Engine, the station’s innovative new audience development and fundraising software.

WFMU has teamed with Bocoup, a leading software developer based in Boston, to create Audience Engine, a publishing tool built to empower media institutions to broadcast, publish and fundraise effectively in the digital age, while building stronger, larger communities and fostering more substantive relationships with their constituencies.

Through its subsidiary Congera, WFMU will make the new open source digital platform available for free to public broadcasters and to print and digital news organizations. Congera will also offer inexpensive hosting services for content makers who prefer an off-the-shelf, hosted alternative for the Audience Engine platform. Congera also secured its first round of private investment for its hosting venture, raising $195,000 from a handful of private investors.

The Dodge Foundation, which with this grant has now contributed a cumulative total of $500,000 to the project, has a special interest in developing sustainable models for journalism in the digital era. “The Audience Engine has great potential to revolutionize how media publishers operate in the digital world,” said Chris Daggett, Dodge Foundation President and CEO. “It is an effective and innovative publishing and community engagement tool that not only strengthens the relationship between news operations and their readers but also, we hope, generates a new and much-needed community-based revenue source to support quality journalism.” “We’ve built amazing crowdfunding and community building tools at WFMU, which have kept WFMU alive,” said Ken Freedman, Audience Engine Founder. “Over 70% of our donations arrive from our website and related apps. By building tools for an independent public radio station though, I think we’ve found tools and strategies that can really help sustain and serve all sorts of digital content makers – online investigative reporters, podcasters, filmmakers, libraries, academics, galleries, photographers, bands. All these content makers are grappling with the same issues these days – how to distribute content online, how to engage people online, and how to keep the lights on.”

The Dodge Foundation was an early supporter of the Audience Engine, which was developed by WFMU based on tools it uses on its own website. The latest grant approved at the Board’s June 15 meeting brings the total amount the Foundation has invested in the platform to $500,000. A key component of Audience Engine’s design is the interactive second screen, where readers and listeners assemble to discuss a particular broadcast, article or news report. 

Ordinarily, second screen communities comment and exchange opinions on third party platforms like Twitter and Reddit. The problem for the content producer is that when they send their audiences to off-site destinations, these giant data mining operations skim off critical information that should be the lifeblood of the digital producer - information that should be sustaining the artist or producer, not the big data enterprises.

Deployment of Audience Engine will not be limited to particular networks (such as NPR) because the platform’s flexible design can be adapted to a diverse range of users. Audience Engine’s modular structure means that content producers will be able to incorporate its tools into their existing platforms, rather than having to abandon one system for another.

The $100,000 Dodge grant enables WFMU to host an Audience Engine launch event this fall and roll out training workshops for early adopters of the tool.

“WFMU is a remarkably innovative radio station, with a long list of technological firsts, and a strong commitment to freely sharing their content,” said Molly de Aguiar, Dodge Media Program Director. “The main point of the Audience Engine, which dovetails so clearly with the rest of Dodge Foundation local journalism work, is that media organizations have to stop building platforms for specific content, and start building platforms that put community first.”

Early adopters of Audience Engine may include not only WFMU, but New Orleans’ legendary jazz and blues station WWOZ, as well as WSOU, Princeton’s WPRB and Seattle’s fabled KEXP. Audience Engine’s fundraising tool Mynte will be released at a launch event in New York City in October, where content makers and coders worldwide will be invited to customize and create on the Audience Engine platform.

About the Geraldine R. Dodge Foundation:

The Geraldine R. Dodge Foundation was established in 1974 through the foresight and generosity of Geraldine Rockefeller Dodge, daughter of William and Almira Rockefeller. For more than 40 years, Dodge has supported leadership, collaboration and innovation, with a focus on addressing the issues most pressing to New Jersey. Dodge also offers a comprehensive technical assistance program geared towards strengthening the capacity of New Jersey’s nonprofit community.

About WFMU:

WFMU-FM is a listener-supported, non-commercial radio station broadcasting at 91.1 Mhz FM in Jersey City, NJ, right across the Hudson from lower Manhattan. It is currently the longest running freeform radio station in the United States. The station also broadcasts to the Hudson Valley and Lower Catskills in New York, Western New Jersey and Eastern Pennsylvania via its 90.1 FM signal in Mount Hope, NY, and to Rockland County, NY at 91.9FM. The station maintains an extensive online presence at WFMU.ORG which includes live audio streaming in several formats, immense audio archives, podcasts and a popular blog.

Rolling Stone Magazine, The Village Voice and CMJ, amongst others, have all at one time or another called WFMU "the best radio station in the country" and the station has also been the subject of feature stories in The New York Times and on the BBC. In recent years the station has gained a large international following due its online operations and counts Simpson's creator Matt Groening, film director Jim Jarmusch and Velvet Underground founder Lou Reed, among others, as devoted fans of the station.

WFMU's programming ranges from flat-out uncategorizable strangeness to rock and roll, experimental music, 78 RPM Records, jazz, psychedelia, hip-hop, electronica, hand-cranked wax cylinders, punk rock, gospel, exotica, R&B, radio improvisation, cooking instructions, classic radio airchecks, found sound, dopey call-in shows, interviews with obscure radio personalities and notable science-world luminaries, spoken word collages, Andrew Lloyd Webber soundtracks in languages other than English as well as Country and western music.

All of the station's programming is controlled by individual DJs and is not beholden to any type of station-wide playlist or rotation schedule. Experimentation, spontaneity and humor are among the station's most frequently noted distinguishing traits. WFMU does not belong to any existing public radio network, and close to 100% of its programming originates at the station.

For Audience Engine inquiries: Ken Freedman ( or 201 575 5608
For general WFMU/Monty Hall press inquiries: Jo Murray (

Related Links:

Audience Engine

Obnox Onward - Kickstarter Campaign

Pledge to the Obnox Kickstarter to fund instruments, merchandise, studio and vehicle expenses. Donate and spread the word!


"The premise of Obnox Onward is to raise money to improve the condition of our instruments, studio environment, and touring vehicle, and to purchase plane tickets to Europe by producing a vinyl seven inch record and an exclusive live extended play for those who have donated to the cause.  These products will be delivered before the end of the year 2015 just in time for Christmas.  There will be three weeks for pledging and we encourage everyone to spread the word, so that we may continue to bring you the best records and shows possible.  Things really were never quite the same after our van and equipment were destroyed by fire on I90 a couple of years ago.  So we reach out to the community for support as we prepare to tour to as many places as we can,  all while making some of the hottest rock and roll on the street."

This project will only be funded if at least $9,000 is pledged by Thursday, June 18 2015. 


De 10 a 21 de Abril de 2015 vai decorrer em vários espaços de Lisboa o ciclo Quando Foram os Anos 80? O programa inclui colóquios, mesas-redonda, maratona de televisão, passeio, sessões de música comentada e cinema. A entrada é livre em todos os eventos.
 No entanto, é necessária inscrição para o colóquio (dias 16 e 17 de Abril) e para o passeio de dia 19 de Abril. Mais informações em

Sobre o ciclo (retirado DAQUI)

Em Quando Foram os Anos 80? trata-se de abordar um período histórico por via de uma série de iniciativas em que se procura tanto mapear o que neste campo tem vindo a ser feito, quanto abri-lo a estudos futuros.

Assim – e tendo como pano de fundo não a cronologia linear mas os anos 80 entendidos enquanto interrogação – propõe-se um colóquio organizado em
open call, bem como uma conjunto de actividades (sessões de música comentada, maratona de TV, passeio pelos lugares dos anos 80, cinema…) onde uma revisitação crítica e sensorial de uma série de espaços, práticas, imagens e produtos ‘da época’ terá lugar. Muito embora o âmbito da iniciativa seja, por agora, maioritariamente nacional, sábado, dia 18, haverá espaço para um diálogo com realidades de outros países por via da participação especial da rede de museus L’internationale com o projecto The Uses of Art – The Legacy of 1848 and 1989.

É sempre difícil perceber quando já passou tempo suficiente para começar a fazer a história de um período. A proximidade dos anos 80, nesse sentido, torna-os num objecto simultaneamente problemático e desafiante para os historiadores. Pouco mais de vinte anos após o final da década, o período surge normalmente associado à hegemonização política e económica dos valores do liberalismo e à consolidação de uma cultura de consumo nas sociedades ocidentais. Em Portugal, bem como noutros países então recentemente saídos de experiências autoritárias, esses fenómenos foram sentidos como parte de uma descompressão política mais vasta, e acompanhados de processos de integração Europeia que produziram um forte impacto político, mas também económico, social e cultural.

O ciclo
Quando Foram os Anos 80? procurará alargar algumas destas questões ao campo cultural, e discutir o lugar da cultura na história portuguesa recente. Esta discussão implicará simultaneamente a abertura dos fenómenos culturais às suas relações com o político, o social e o económico, mas também a sua inclusão em processos que ultrapassam os próprios anos 80, ora porque já estavam em formação no período pós-revolucionário, ora porque se prolongaram para dentro dos anos 90.

People Like Us / Vicki Bennett apresenta Citation City, na SMUP

A artista britânica Vicki Bennett, também conhecida como People Like Us, fará uma apresentação do seu novo projecto “Citation City” na SMUP, Parede, no dia 17 de Abril de 2015.

People Like Us tem desenvolvido trabalho na área da colagem audio-visual e é considerada uma das artistas mais influentes nesta área.

Vicki Bennett tem-se especializado na manipulação e recriação de fragmentos sonoros e visuais com origem tanto em meios experimentais como populares. Em 2006, foi-lhe concedido acesso ilimitado aos arquivos da BBC.

People Like Us já fez performances no Festival Sonar, Maxxi, na Tate Modern, no Barbican Centre, no Centro de Cultura Digital, entre outros. Nos últimos anos, tem colaborado com a rádio WFMU, como dj-residente-à-distância.

Citation City: Um labirinto colossal

Uma viagem no tempo através de uma cidade. Uma história dentro de uma história, dentro de uma história.

O que acontece quando múltiplas narrativas se combinam? Que histórias nos poderão contar que uma história isolada nunca nos contaria?

Citation City, o último projeto de Vicki Bennett, combina múltiplas narrativas para criar a história de uma cidade, Londres, num período de enormes mudanças.

A partir de 300 filmes e mais de mil clips de vídeo que têm Londres como cenário, Vicki Bennett cria um patchwork colossal, um labirinto inspirado pelo ambicioso e derradeiro projecto de Walter Benjamin, The Arcades Project, que procurava mapear Paris através de fragmentos literários sobre a cidade (e que ficou inacabado devido à morte do autor em 1940).

Quando pesquisou sobre o projecto de Walter Benjamin, Vicki Bennett constatou que havia uma enorme semelhança entre os seus processos criativos: corte e colagem de fragmentos, agregados por listas de temas que funcionam como um sistema de informação.

Em Citation City, o trabalho audiovisual é criado a partir da colagem de clips de texto e imagens através de um sistema de “convergência” em que temas-chave, figuras históricas, tipos sociais e locais funcionam como íman, criando relações entre as imagens e revelando uma rede de afinidades escondidas. 

A performance consiste na projecção do filme e na criação, ao vivo, de uma banda sonora, composta por fragmentos de sons retirados dos filmes e novas composições inspiradas pelo conteúdo das imagens.


Nos próximos dias 28 & 29 de Março do presente ano de 2015 vai decorrer na SMUP uma nova edição da Feira Morta. Das 14h às 22h, vamos ter fanzines, livros, lançamentos, projecção de filmes, concertos com fartura. É de ir!

Arte por: Robô Independente

Porque o criminoso volta sempre ao local do crime, a Feira Morta volta à Sociedade Musical de União Paredense no fim-de-semana de 28 e 29 de Março. 


Para a primeira edição de 2015, a Feira Morta - tendo como cúmplice a companheira-no-crime Associação Cultura no Muro - propõe-se a dizimar a zona da Parede, atacando a SMUP com uma forte programação DIY. 
Editores independentes vão estar no local, a mostrar novas edições, a apresentar material e a falar sobre o seu trabalho. 
Bandos de músicos marcarão presença, nos arrepiante DEATHGIGS. 
O DEATHSCREENING vai estar em emissão contínua, para arregalar as vistas e os neurónios. 
Não há plano maquiavélico sem surpresas, e a Feira Morta reserva o melhor para os que se atrevem a aparecer.
Os fracos não vão aguentar o arrebatador bombardeamento da edição de autor, num evento que, sem dúvida, deixará traumas com direito a "flashbacks". 


sábado 28 :

Apresentações novas edições, às 15 h:

SE MENTE : “E Tudo O Comboio Levou" 


O GATO MARIANO + GRÉC : “Processo de contágio" 

D E A T H G I G S :



D E A D A C T - 19H 


domingo 29 :

Conversas DIY - 15H - Com a presença dos editores: Qualbatroz, Cafetra Records, Xavier Almeida e Clube do Inferno 

D E A T H G I G S  

YAN-GANT Y-TAN & 666mfRAS - 17H


D E A D A C T - 19 H 


Projecto de Arte Postal: as cartas de jogar e o jogar das cartas

"Criaremos uma instalação colectiva de arte postal inserida num encontro de pesquisa lúdico-artistística baseada no tema: As cartas de jogar e o jogar das cartas"

Esta é uma convocatória que nos chega do Algarve, lançada pela Mandrágora em conjunto com o colectivo Verde Salto. A partir do conceito de arte postal (mail art), este  open call é lançado a nivel internacional com o objectivo de organizar em breve um encontro de "pesquisa lúdico-artistica" onde todas as peças recebidas serão expostas.

Até ao momento, já responderam cerca de 40 pessoas, que enviaram aos organizadores desta iniciativa um total de 60 obras.

O prazo de envio das peças termina no dia 30 de Abril do presente ano de 2015

As regras deste jogo são simples: formato e técnica totalmente livres; não vai haver juri (o que quer dizer que tudo será exposto); no final, cada participante, vai receber por correio um documento/catálogo da exposição. As peças têm de ser enviadas via postal para a seguinte morada:

Belisa de Almeida e Sousa
Estrada Nacional 125 Nº133
8800 109 Luz de Tavira

Isto é o quê, a Arte Postal?

Isto é o quê, a Arte Postal? de momento, algumas palavras (três) a servirem de chave: distribuição, isolamento, pluralidade. O circuito é interminável, tanto quantas as caixas postais, no mínimo. Nada a ver, portanto, com o espaço bi-unívoco da galeria de arte, preferencialmente. Aqui, e por essência, tudo se desloca. Há um selo: eis o que basta; de um lado para o outro o desentrançar é permanente.

Rosa dos ventos. Deslocamentos parcelares e contínuos. Uma trama que se constrói. Um feixe. Cada objecto de Arte Postal transposto para o espaço fechado de uma galeria tende a morrer em algum dos seus pontos: deixa de reproduzir, apenas se mostra. Na verdade, e à maneira de um electrão numa câmara de nevoeiro, o que está em causa na Arte Postal é o desenvolvimento de uma geografia, um espaço que se multiplique em linhas de força: fluxos e mais fluxos. E que a Arte Postal faz-se sobretudo em trânsito, de dentro para fora e de fora para dentro. 

Um corpo-pleno, dir-se-ia por isso. A Terra como território de distribuição: o ovo cósmico. Aqui, uma exposição está como que a mais, ou a menos. Paradoxo. A menos põe em evidência todo o sistema pela sua negativa. Fazer uma exposição de Arte Postal é deter a máquina, fazê-la avariar naquilo que ela possui de essencial, e isso como forma de lhe evidenciar os mecanismos. Expor Arte Postal no sentido em que se expõe quadros ou esculturas é inviabilizar um ponto fixo do espaço e no tempo a sua re-produção, facto momentâneo mas básico, de modo a que tudo permaneça na mesma, isto é, a avaria constitui a condição necessária ao funcionamento de todo o mecanismo. 

A arte vai com a Unidade. mas dois não é ainda plural. Dois é o público frente ao objecto: Pura dicotomia. Pluralidade é o dois que se faz três: re-produção. Na Arte postal, somente, emissores em primeiro e segundo grau se encontram implicados. Quem recebe também emite, utilizando a mesma via - o correio -, e segundo as modalidades de uma mesma forma - a arte. Um nome e uma morada são elementos ínfimos, moléculas, que se organizam caoticamente numa rede sempre alargada. Não há Arte Postal sem um nomadismo artístico, sem deserto. 

O deserto. Isso não é ainda o betão, mas quase. Talvez o seu efeito. Isolamento e comunicação. A Arte Postal é nómada porque só pode sê-lo, porque vai de um ponto a outro no deserto. Estender os braços. Aqui é o betão que se transforma parcelarmente em deserto liso. Não se atravessa uma parede: O correio serve para isso.


Stress Jingle/Station ID #44: FACA MONSTRO

Click on the player below to hear FACA MONSTRO's Station ID for

and click HERE for the MP3 link

FACA MONSTRO is an informal collective based in Porto (Portugal) since 2008. Dwelling in bass heavy, beat driven music coming from the studios/bunkers of some of the most cryptic Porto producers, Faca Monstro joins together HHY (Macumbas, FUJAKO, etc), GHUNA X (Live Low, GHUNAGANGH), CHALLENGER, ACELORIAEX-PEÃO and many more musicians.

Seduced by the clash of ancient, modern, traditional and contemporary culture, they have spawned demons like CK&P (Drum n' Arabesk) or GHUNAGANGH (satanic grime) and the basis of theirs activity is sporadic boombox meetings throughout town, periodic local nightclub shows and museum comissions. 

Faca Monstro has close ties with SOOPA and Marvellous Tone.

According to their FB page, "You'll mainly get our sounds in mixtapes for download and also albums and ep's, digital or in vinyl format".

Related Links:

Terças de Poesia Clandestina, na FCSH

A convite de Vasco Macedo, a vai estar presente nas Terças de Poesia Clandestina, evento dedicado à leitura de poesia a decorrer todas as terças feiras do presente mês de Fevereiro na esplanada da FCSH (Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova). A partir das 21h30. Entrada gratuita.

Cada sessão das
Terças de Poesia Clandestina consiste em "duas intervenções programadas, seguidas de uma abertura do espaço a qualquer pessoa no público que queira vir declamar poemas originais ou de outros.

Para a primeira sessão, do dia 3 de Abril, vamos ter uma intervenção de Vasco Gato chamada de "Contra Mim Falo" e de seguida continuamos com uma leitura por conta da casa do poeta surrealista António Maria Lisboa."

Programa completo:

3 de FevereiroContra Mim Falo por Vasco Gato + Leituras de António Maria Lisboa

10 de Fevereirotrinta e três milhões quinhentos e cinquenta e quatro mil quatrocentos e trinta e dois por Miguel Castro Caldas + André Tavares Marçal lê Gastão Cruz 

17 de FevereiroCarimbos de Nuno Moura + Beatriz de Almeida Rodrigues revisita Luiza Neto Jorge

24 de Fevereiro"A ilha dos amores na economia dos Lusíadas" comunicação de Rodrigo Abecasis + "A educação do Estóico" do Barão de Teive lido por André Alves

Lançamentos de Bestiário Ilustríssimo II / Bala, de Rui Eduardo Paes

Bestiário Ilustríssimo II / Bala, novo livro de Rui Eduardo Paes, vai ser lançado na Casa dos Amigos do Minho (Intendente, Lisboa), no dia 6 de Fevereiro e na SMUP - Sociedade Musical União Paredense (Parede), no dia 7 de Fevereiro. Ambos os eventos começam às 21.30h e incluem apresentação do livro com presença do autor e convidados, e concertos. [informação mais detalhada, AQUI

Depois do sucesso de Bestiário Ilustrissimo, Rui Eduardo Paes volta à carga com a segunda parte desta “(anti-)enciclopédia sobre as músicas criativas". Este segundo tomo do Bestiário foi novamente co-editado pela Chili Com Carne e a Thisco, na colecção THISCOvery CCChannel.

Este volume compila dois livros num só: Bestiário Ilustríssimo II e Bala. O primeiro é uma vez mais ilustrado por Joana Pires, o outro por David de Campos.

Mais detalhes sobre
Bestiário Ilustríssimo II / Bala:

O jazz criativo, a música livremente improvisada, o rock alternativo e os experimentalismos sem rótulo possível voltam a ser as áreas cobertas, sempre associando os temas com questões da filosofia, da sociologia e da teoria política, num trabalho de análise e desmontagem das ideias por detrás dos sons ou das implicações destes numa realidade complexa. Os textos reenviam-se entre si gerando temáticas que vão sendo detectadas pelo próprio leitor, mas diferentemente de Bestiário Ilustríssimo há um tema geral nesta nova obra de Paes: o tempo.

A tese é a de que quem escreve sobre música, mas também todos os que a ouvem, está sempre num tempo atrasado em relação à própria música, um “tempo-de-bala”, de suspensão de um tiro no ar, como no filme “Matrix”. O alinhamento dos capítulos não se organiza segundo tendências musicais ou arrumando os nomes referidos em sucessão alfabética, como numa convencional enciclopédia. Todos os protagonistas e suas músicas surgem intencionalmente misturados, numa simulação do caos informativo em que vivemos nos nossos dias. Propõe-se, assim, que se leia Bestiário Ilustríssimo II / Bala como se se navegasse pela Internet, procurando caminhos, relações, cruzamentos, desvios.

A mente não é uma estante, é um bisturi.

[Crítico de música com 30 anos de carreira, Rui Eduardo Paes define o seu oficio como um serviço público e comunitário, dirigido à comunidade musical em geral.  É autor de "[...] vários livros sobre as músicas criativas, cobrindo o leque de tendências que vai do avant-jazz à música experimental, passando pelo rock alternativo, a música contemporânea, a new music, a música improvisada e a electrónica. É o editor da revista"*]

Links relacionados:
Site de Rui Eduardo Paes
Lançamento de Bestiário Ilustríssimo (audio)
Entrevista a Rui Eduardo Paes, na (audio)