#Lisboa e as 200 Economias Metropolitanas Mundiais #transições urbanas

O Brookings Institute lançou durante o mês de Janeiro de 2012 o Global Metro Monitor relativo a 2012.
São cada vez mais as entidades: Universidades, Institutos, Fundações, que se dedicam ao estudo das regiões metropolitanas. A análise genérica dos dados produzidos pela Brookings explicam a crescente importância dessas regiões: as 200 maiores economias metropolitanas do mundo representam 48%  PIB mundial e apenas 14% da sua população.
O estudo incide sobre o produto interno bruto e a criação de emprego nas 200 maiores economias metropolitanas.
A crise da dívida tem reflexos directos no desempenho das regiões metropolitanas: 95%  com crescimento mais lento situam-se na América do Norte, Europa Ocidental e nas cidades Japonesas afectadas pelo tremor de terra.
Do mesmo modo, a recessão é mais visível nas regiões periféricas da Europa Ocidental e, no top 10 das 200 com pior performance incluem-se Lisboa, Atenas, Dublin, Sevilha, Madrid, Nápoles, Barcelona e Valência.


O relatório até dá um destaque especial à cidade de Lisboa,
Lisboa está no centro da recuperação da crise em Portugal, já que a cidade contribui de forma desporporcionada para a economia nacional. Pelo quarto ano consecutivo Lisboa perdeu rendimento, tendo o seu produto interno bruto diminuído 2,8%  em 2011. A criação de emprego baixou 2,4%.
A área dos transportes e da finança têm grande peso na economia de Lisboa e estão ambas em recessão. 40% das perdas de emprego na cidade deve-se aos cortes no sector público.