HORTAS DO VALE DA AMOREIRA: FOLLOW UP


No seguimento da publicação de Vale da Amoreira: Ordem de Demolição foram vários os ouvintes e leitores da stress.fm que emitiram informações complementares à situação exposta.

Destacamos algumas delas.

A propósito das motivações da Câmara Municipal da Moita para a destruição das hortas escreve-se: 

«A CMM fez a uns anos uma campanha para a utilização deste terreno e da antiga vacaria das Fontainhas como um espaço para estudos agrícolas e hortas comunitárias mas como o dinheiro chegou a frente vendeu o terreno a uma empresa de construção...o para criar um condomínio gigante depois o governo proíbe a sua construção por causa do tgv e a construtura deixa as obras a meio e abandona o terreno mas agora que as pessoas estão a dar uso ao terreno para cultivar e tentar sobreviver é que se lembram dele»
Para aprofundar este depoimento consultar artigo do Público, que fala de parte deste terrenos e de um escândalo de 25milhões de euros que envolve a CMM, um dos seus assessores e uma construtora:  http://www.publico.pt/Local/camara-da-moita-e-ccdr-abrem-as-portas-a-megaurbanizacao-no-canal-do-tgv-1284959
Referindo-se às oportunidades perdidas pelo poder político, outro leitor relata um projecto para hortas comunitárias no Vale da Amoreira que data de 2009, ou seja, data prévia ao início da ocupação dos terrenos. Esse projecto foi realizado em conjunto por moradores, autarquias (Câmara e Junta), associações locais, associação de condóminos, ONG´s e teve a coordenação técnica do atelier Moov.
O projecto consistia na ocupação de uma área abandonada junto a um parque de atletismo. Destinava-se a quem quisesse cultivar, previa o abastecimento de água e casas de arrumos.
Apesar do trabalho consensual e unânime entre todos, incluindo dos técnicos da Câmara Municipal da Moita, politicamente a autarquia, ao fim de um ano de elaboração do projecto impediu a sua viabilidade por razões desconhecidas. O financiamento a cargo da DGARTES perdeu-se entretanto. Em alternativa, os Moov realizaram um projecto piloto na Escola Secundária com bastante sucesso entre alunos e professores (aqui), mas sem capacidade de acolher as necessidades da comunidade.


«Isto só acontece porque a Câmara não avançou com o projecto da DGARTES no qual se propunha criar hortas urbanas como as que existem em Lisboa, isto em 2010. Na altura havia dinheiro e havia projecto.»

Também há quem proponha soluções para este caso, e em especial nas formas de não demolir as hortas existentes:

«O Vale da Amoreira constituiu uma Comissão Social de Freguesia, a partir do modelo da IBC, no sentido de garantir o trabalho em rede, a consensualização do seu modelo de desenvolvimento e a participação de toda a comunidade (residentes e entidades) na definição das prioridades locais.
Cabe agora a toda a comunidade que se manifeste perante a notícia em baixo!
»


ou:

«A noticia que surgiu, espantou-me....a questão das hortas do vale da amoreira, é uma das questões que os parceiros do vale da amoreira desde 2006 têm identificado como importante trabalhar mas que envolve um enorme sensibilidade na sua resolução.... mas tb uma enorme criatividade para, neste contexto de crise, criarmos soluções que facilitem a vida às pessoas e tb permitam a manutenção de espaços públicos cuidados com baixo custo para as entidades.... assim, o meu espanto surge quando existindo desde há muitos anos um enorme trabalho em parceria para a construção das soluções que apoiem a comunidade, que recentemente se formalizou numa comissão social de freguesia... e estando esta questão identificada pelos parceiros (que incluem as associações locais, IPSS, a autarquia, a saúde, as escolas, entre outros parceiros), não tenha sido possível chegar a uma solução mais participativa que incluísse também os utilizadores no espaço. Parece, no entanto, que a visibilidade que ganhou agora esta questão poderá ainda constituir um importante ponto de partida para que em conjunto, parceiros e moradores, consigam identificar a solução mais adequada... tanto mais quanto um pouco por todo o pais a questão das hortas urbanas se tem constituído como uma solução interessante»

Também se fala em mobilizações:

« Todos ao Vale da Amoreira no dia 9 (Quarta) às 10h da manhã» 


Os comentários transcritos encontram-se disponíveis em vários facebooks. A redacção também recebeu dois emails de militantes do Partido Comunista irados com a acção contra-revolucionária da Câmara em nome da CDU. Referem, pedindo anonimato, que não faz sentido num território tão excluído como o Vale da Amoreira eliminar meios primários de subsistência sem criar alternativas.

Ainda não há notícias por parte da Câmara Municipal da Moita.

A notícia encontra-se em vários blogs on-line:

Spectrum 
Gaia
Donne Moi Ma Chance