VALE DA AMOREIRA: ORDEM DE DEMOLIÇÃO uma transição urbana


Foi no mês de Março que a Câmara Municipal da Moita colocou os editais assinados pelo seu presidente a anunciar a destruição das hortas situadas entre o Grupo Desportivo, Escola Secundária, Centro de Experimentação Artística e cemitério; um terreno baldio sem finalidade ou projecto de construção. Parte dele está inclusivamente situado na zona de exclusão de segurança do TGV, o que impede qualquer tipo de edificação.
São chamadas as "hortas da crise" por terem surgido em 2009, durante o ciclo de austeridade. A falta de trabalho, o corte nas prestações sociais, o encarecimento de alguns serviços e bens fundamentais (gasolina, luz, trasportes,rendas, etc..), levou a que um grupo de moradores do Vale da Amoreira, em especial jovens, procurassem novas formas de sobrevivência através do cultivo.
Alegam que a Câmara Municipal da Moita "facilitou" a ocupação agrícola do terreno que agora lhes quer retirar.
Por seu lado, o município em evocação da necessidade de destruição das hortas fala em proteger "algum coberto vegetal que interessa ver preservado" e em "danos em infra estruturas existentes" de um terreno baldio e abandonado.
A destruição está marcada para 9 de Maio (Quarta-Feira). Até ao momento nenhum dos ocupantes foi contactado pela edilidade.

Foto - Cobertura vegetal a preservar?

Disponibilizamos alguns depoimentos em áudio dos agricultores do Vale da Amoreira:

As hortas como mecanismo de sobrevivência

"Quando não é uma coisa é outra. Quando não há feijão é milho, quando não é milho é couve,é assim...
Não há carne! Olhe ferve, sal, olhe: sal é o mais barato que há, com a água. Tem sal, tem água...
Claro, sem água não coze Tem água, tem sal, a gente não morre de fome.
Se isto vai-se embora sofro, e quem está ao meu lado sofre."



As hortas e os compromissos políticos



"Não estou a ver essa política. Porque realmente! eu perco aqui o meu tempo, dando eles o terreno para que pudéssemos cultivar, têm que nos pagar, fomos nós que plantámos a terra, porque isso também não é fácil: cavar e plantar.(...)
Eu não me importo de pagar 50€, 20€. Quer dizer, plantamos, colhemos e depois já podemos falar. (...)
Eles estão bem, em casa comem, bebem, fazem amor todos os dias...olhem, eu também faço amor todos os dias por causa do stress."



Resistência à destruição



O dia-a-dia nas hortas