BRIGADAS DE LIMPEZA ANTÓNIO COSTA #lisboa #repressão #transiçõesurbanas


 (disfarce de imóveis da CML devolutos e emparedados 
no Largo da Rosa - Mouraria,
para a visita de Cavaco Silva no dia 9 de Junho)

Autocracia e higienização são valores comuns à recuperação do espaço público da Lisboa de António Costa, Sá Fernandes e companhia.
Espaços que antes estavam devolutos e cheios de carros, obrigando a especiais apropriações dos cidadãos, são hoje remodelados e limpos para figurarem 24h para um postal e para o seu valor comercial.

A Praça do Comercio, vítima há uns anos da «acção popular» do agora seu mandante - José Sá Fernandes - recebe o Continente no dia 16. O Jardim São Pedro de Alcântara está alugado à Canon, os habitantes das redondezas da Praça das Flores têm que empurrar as marcas de automóveis, os skaters da Praça da Figueira (que a utilizam há mais de vinte anos) são expulos para dar lugar a tendas de pistas de "gelo natural" com música de carrinhos de choque até depois da uma da manhã.



Para a comemoração do dia de Portugal, a Mouraria vai ver o seu projecto de espaço público (ai Mouraria) consagrado, com a actividade "Visitas Cantadas", honrada pela presença de sua excelência Cavaco Silva.
Diga-se que, até dia 9 de Junho, data da visita, não se pode realizar nenhum arraial popular dentro do bairro da Mouraria. Os espaços remodelados pelo projecto, como o Largo da Severa, deixam de constar na lista da EGEAC de espaços disponíveis para a instalação de arraiais. 
Já no ano passado, em virtude da inauguração de um condominio na Rua das Farinhas, o lavadouro popular do Largo da Rosa também deixou de albergar o arraial habitualmente organizado pela Associação Renovar a Mouraria.

A 4 dias da inauguração da remodelação parcial do Largo da Severa e de outros locais na Mouraria, as brigadas de limpeza da Câmara, seguindo "ordens directas" de António Costa, começaram a tapar com placares brancos as portas e janelas emparedadas pela Câmara no seu património abandonado (a primeira fotofrafia deste post demonstra a natureza dos trabalhos no Palácio da Rosa - Largo da Rosa - propriedade da CML e em abandonado desde que há memória).


No Largo da Severa,  onde  Cavaco Silva vai inaugurar a sua requalificação, veja-se como as brigadas de limpeza actuaram ao amanhecer, pintando de beje as inscrições da sede de uma associação.
Os maís distraídos que reparem no que estava lá escrito: uma referência ao Barão de Haussman e ao projecto de gentrificação de Paris no século XIX.
Costa não se devia ofender, suas tácticas e sofisticações põem-no muito à frente do Barão.
Actos de censura prévia, a higienização do espaço público, são apenas alguns dos argumentos da autocracia de Costa em Lisboa. Não se iludam, isto é só o começo, Costa é capaz de tudo para vê-la vingar.