Free the Network: wifi, comunicação. #Comunidade



Esta história começa em Zuccotti Park, em New York, 2012.
Não. Começa em 1973. Hoje é o Dia Mundial IPV6 .

Esta é a história da rede e nela se conta como os tubos cheios de luz atravessam os oceanos do planeta e ligam todos os écrans, as muitas vozes. A luz da rede faz ver que 99% é o melhor slogan desde a última vez em que houve um bom slogan.
Os tubos não são da maioria. Pertencem a empresas com nomes míticos - Tata, Telsra - e as suas extremidades tocam em águas e praias improváveis.
 Da Nang Vietnam, Sesimbra Portugal.

Os heróis desta história, habitantes de Zuccotti, embarcaram na estranha aventura de construir um torre livre. Uma máquina bizarra que distribui o poder da comunicação, feita de um longo mastro de metal e de circuitos electrónicos, placas brancas, gente à volta, internet à pala.
E assim, um belo dia, meio de repente, havia esta coisa chamada mesh network, p2p, e outros sinónimos de um processo de comunicação descentralizado, meio autónomo dos Senhores dos Tubos.

Numa noite escura e fria, os maus da fita invadiram o reino das assembleias gerais e dos ecos sem fim, e confiscaram tudo. Os heróis, dignos de seu nome, não baixaram os braços e criaram uma organização. Chama-se The Free Network Foundation e dedica-se agora a exprimentar o que é chegar a um bairro e dizer:
"a partir de hoje há net para todos".


Há uma bela série de panfletos publicados pela Architectural League de New York sobre os efeitos da omnipresença das redes e dos computadores na vida da cidade. O nome da série é Situated Technologies, como que a dizer que os sítios importam e influenciam sempre o uso das tecnologias, e o terceiro volume fala de redes comunitárias sem fios. De estratégias novas. Fala do que muda nas cabeças e nos dedos das pessoas quando os meios de reprodução são abundantes e, pois, palavra complicada mas inevitável: livres.

A história não acabou.
Os heróis vivem agora noutras cidades, com outros corpos, e o mito de uma rede diferente é contado e partilhado em voz alta, em voz baixa, por escrito.

Em 1973, a internet começou. Hoje, em 2012, tudo mudou.

  
Happy IPV6 Day.