Os dados estão lançados

Visualização de tráfego de mensagens SMS na noite de Ano Novo, Amsterdam 2011

A transparência é a propriedade física que permite à luz atravessar os objectos sem se dispersar. Os materiais substâncias, ou situações que não permitem a passagem da luz chamam-se opacos. No contexto das tecnologias de comunicação, fala-se de transparência no que diz respeito à partilha e acesso de dados, diversos, gerados por serviços, produtos, instituições, pessoas. Fala-se de organização, homogenização, visualização de dados.

Diz-se que uma sociedade é transparente se esta regista e permite o acesso à sua imensidão de dados: declarações de impostos, salários governamentais, gastos institucionais, benefícios de serviços, características de relacionamentos intercomunitários, pegadas ecológicas, volume de comunicações, relatórios de balística.




Uma sombra é a área onde um objecto ou substância impede a chegada directa da luz. A secção transversal de um sombra chama-se silhueta, uma projecção inversa do objecto que bloqueia a luz. A propósito da proliferação de aparelhos electrónicos dotados de sensores e de uma ligação à internet, fala-se de sombra de dados no que diz respeito ao rasto digital deixado pelas múltiplas actividades quotidianas: telefonemas, viagens, compras, histórico de navegação, fotografias. Fala-se de análise de sombras, de previsão de comportamento.




Diz-se que uma silhueta é uma imagem de uma pessoa, de um objecto, ou de uma situação: a inversão de contornos e características, o esboço por vezes artístico mas muitas vezes grosseiro do que está, em si, iluminado. A simulação digital de comportamentos humanos deve o seu grau de detalhe à quantidade de dados disponíveis, à previsibilidade dos hábitos, desejos, tácticas e percursos do que é simulado, ao uso e à gestão eficaz de modelos. 

O que se esconde nas sombras varia com o tempo, a distância, a luz, o silêncio.