Luis Lopes: um percurso

Luis Lopes toca guitarra desde os tenros 15 anos. 

No liceu fazia parte de bandas rock/punk/metal; aos 20 anos ouvia o rock de Hendrix, Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, iniciando um percurso pelos bares de Lisboa com bandas de covers. Depois de uma fase mais ligada ao blues, em que "comprava muitos discos e passava dias e dias em casa a sacar malhas para aprender a tocar aquela cena toda", começou a estudar jazz.

Pedimos ao Luis através de uma troca de emails que nos contasse um pouco como é que foi o seu percurso musical. Ele respondeu-nos com o seguinte texto:

"Em termos académicos [...] estudei na Academia de Amadores de Música, enquanto, ao mesmo tempo estava noutra escola de rockeiros, a desenvolver aquela cena  toda da guitarra eléctrica...

Luis Lopes Noise Solo na Trem Azul
Cansei-me depressa da seca da Academia e [com 20 anos] fui para o Hot Clube para experimentar. Diziam que se aprendia lá bem, mas eu na altura só queria era rockar... ao fim de um ano, byebye!!! Depois estive dois anos numa escola (Sítio-Centro de Musica) que tinha as três areas: Clássica, Jazz e Rock e formação musical [...]. Depois, veio o Jazz e a vontade de voltar para a escola de jazz. Foi o que fiz, mas para o Barreiro, onde estava o Zé Eduardo, o Mário Delgado, o Nuno Ferreira, etc. [...]. Aí fiquei a apanhar altas secas por mais três anos... 

No meio do interesse  crescente pela livre improvisação, conheci o saxofonista e improvisador Joe Giardullo, com quem estive em residência artistica uma semana, organizada pela Granular. Ficámos amigos e deu-me a estudar (durante um ano) o Lydian Chromatic Concept, do George Russell, que foi ajuda essencial para perceber harmonicamente o Jazz Moderno (pós bepbop)... e pronto, aí estou, ao lado de outros musicos, a desenvolver..."

Na sua discografia incluem-se os albuns Lisbon Berlin Trio, Humanization 4tet, Afterfall, What is When, editados pela Clean Feed, e o Electricy, editado pela Ayler Records.

Perguntámos-lhe também quais são os seus planos a curto médio-prazo. A resposta, para além de extensa, foi-nos dada num tom bastante optimista:

"Um disco de noise solo [em vinil] prestes a sair, pela minha editora (LPZ Records), que estou a criar e onde espero lançar coisas minhas muito específicas.... a ideia era lançar durante o festival Rescaldo mas atrasei-me um pouco com isto... deve sair muito brevemente;


Está para sair (Junho/Julho de 2013) outro disco dos Humanization 4tet, que é um disco ao vivo que nós fizemos em Madison (EUA), na última tour, mesmo antes de termos actuado no Jazz em Agosto. Foi o último concerto da tour. É um disco ao vivo. Era para ter saído já em Junho passado, mas as coisas foram-se atrasando. Vai ser editado novamente pela Ayler Records;

Um disco em duo com o Jean-luc Guionnet para sair... ao vivo na Culturgest... o [Pedro] Costa da Clean Feed gostou do material para avançar, mas entretanto resolvemos esperar um pouco pois vamos fazer uns concertos por aqui (Lisboa, Porto, Guimarães, ...); e mais gravações também, e depois ver o que fazer com todo o material;

Também um disco com o saxofonista Elliot Levin, de Philadelphia, o Gabriel Ferrandini e o Hernâni Faustino, que espero que venha a sair muito em breve;

Entretanto, estou a construir um disco em duo com o Yari Marjamaki (electrónicas) que esperamos lançar ainda este ano;

E um disco com o Travassos e os suíços Sheldon Suter e Marco Von-Orelly pronto para sair, em conversações agora com uma editora Suíça;
 

Fora isto, estou a tentar juntar um ensemble baseado numa secção de (4 ou 5) electrónicas versus secção de cordas (2 contrabaixos e 2 cellos), a minha guitarra, e mais um ou dois instrumentistas... ainda não está definido... no horns, no drums!!!!  isto para apresentar num concerto, que espero gravar."

******

Video do Luis Lopes Noise Solo na Trem Azul, gravado no dia 16 de Fevereiro de 2013, na última noite do Festival Rescaldo: