Fernando Cerqueira: SPREAD THE THISEASE



No passado dia 16 de Maio de 2013 aceitámos o convite do Filipe Leote e trouxemos ao estúdio da Stress.fm o Fernando Cerqueira, responsável pela defunta editora SPH e membro de projectos musicais como os Croniamantal, Ras.Al.Ghul e Rasal.Asad. Actualmente está à frente da Thisco e dos múltiplos projectos editoriais que rodeiam esta label.

Podes ouvir a entrevista aqui:



⊙⊙⊙
 
O percurso do Fernando começou em meados dos anos 80, numa altura em que aparecia cada vez mais malta interessada nas várias vertentes da música electrónica: ambiental, esperimental, noise, industrial. Dentro destes meios musicais, o nome mais sonante é, quase inevitavelmente, o da editora de João Peste, a Ama Romanta. Mas, segundo o Fernando, "havia um outro circuito, que era muito mais restrito, que eram pequenas editoras que estavam a fazer edições em cassete, como por exemplo as Facadas na Noite [Braga]; depois aparece também a Tragic Figures [Porto], a Johnny Blue, a Ananana [Lisboa]… havia muita coisa".


contra-capa de uma k7 da SPH
Nesta altura, para além de tocar com os Croniamantal, o Fernando Cerqueira geria sozinho a sua própria editora, a SPH. Em 93 acabou por abandonar os Croniamantal para se dedicar exclusivamente às edições.

A SPH editava tiragens relativamente reduzidas de cassetes que eram distribuidas um pouco por todo o mundo. No catálogo da editora figuram dezenas de nomes enquadrados em vários tipos de som electrónico e experimental, alguns deles bem sonantes: ‪Jim O'Rourke‬, Merzbaw, Brume, Alvars Orkester, Maeror Tri., etc. 

Ao longo dos anos, a SPH foi ganhando um certo prestígio e reconhecimento, graças ao esforço e à persistência do Fernando que mantinha correspondência regular com musicos e produtores de diferentes cantos do planeta. As cassetes da SPH são hoje autênticas relíquias.

Depois de dissolver a editora, o Fernando dedicou-se à livraria Ligotage, inicialmente localizada no Centro Comercial Portugalia e, mais tarde, na ZDB, em Lisboa. Podia-se encontrar imenso material ligado à contracultura (ou Ocultura, como o Fernando prefere chamar). Os temas e as publicações eram muitos e variados: Re/Search, Body Play, Fethish, S&M, Archaic Revival, TOPY, Gaia, Apocalipse, Satanismo, Erótica, etc. Depois de fechar no Portugalia, a Ligotage chegou a funcionar na galeria ZDB.

O Fernando ainda fez ainda parte de dois outros projectos sonoros já em cima referidos: Ras.Al.Ghul, que se dedicavam "à exploração de ambientes electrónicos sob a tónica do experimentalismo", e Rasal.Asad, "numa vertente exploratória de sonoridades mais assentes na música ambiental e drone".


Em 2001, nasceu o projecto a que ele se dedica exclusivamente nos dias que correm: a Thisco é uma associação cultural que partiu de um conjunto de ideias que têm como intuito criar  transformações sonoras, estéticas e na maneira de estar. 

Ao longo de mais de 10 anos, foi ganhando corpo quer enquanto editora musical - sobretudo no vasto universo da música electrónica: ambiental, noise, pós-industrial, etc. -, quer enquanto difusora de textos ligados a diferentes correntes da Ocultura com as quatro antologias lançadas em parceria com a Chili Com Carne: Antibothis. Nestas publicações colaboram escritores nacionais e internacionais: John Zerzan, Pentti Linkola, Erik Davies, Hakim Bey, Genesis P-Orridge, Joe Coleman, Crimethinc., Critical Art Ensemble, Boyd Rice, V. Vale, entre muitos outros.

Para além da edição da Antibothis, a Thisco e a Chili Com Carne lançam em conjunto a colecção THISCOvery CCChanel.


 


A banda sonora deste podcast provém dos cd´s Antibothis:

Checkpoint 303 - Streets Ô Ramallah
Machinefabriek - Stroop
KK Null - Cosmic Debris
Rasal. asad & Jarboe - This
Controlled Bleeding - Grinder Song
Cindytalk - Fighting the Panopticon
The Master Musicians of Joujouka
Murcof - Plant



Links relacionados: