CITY WORKS & GLOBAL CITY LOCAL CITY IN #SPIELART #MUNICH



Já na sua décima edição, o Spielart em Munique, é um destacado festival de artes performativas, focado nas novas formas de teatro: não apenas nos seus aspectos formais mas também no processo criativo, carácter documental, abrangência social e nas afiliações entre actores e público.

O reconhecimento do festival, sua importância internacional no campo artístico e para a cidade de Munique, dá-lhe responsabilidades acrescidas na análise e propostas para o quotidiano e desafios contemporâneos.

Assim, para além do Wake Up - uma Assembleia de discussão para uma Europa diferente - o festival espalhou por espaços públicos da cidade, embora perto da sede em que tudo acontece: o Muffaftwerk, um conjunto de 9 contentores com intervenções de 10 artista/grupos das artes performativas, artes visuais e arquitectura, para apresentarem as suas visões e reflexões sobre a vida metropolitana.

Cityworks é, em parte, assim apresentado:

«The Metropolis was already a subject of artistic examination at the beginning of the 20th century. At the time, the focus was primarily on the phenomenon of industrialization and its effects on the individual, and today the focus is more on the city as a social space. How can the city be re-examined as a common habitat, as an urban fabric within a reality? Are there still free spaces and local characteristics in light of global tendencies? After all, today 50 % of the world´s population lives in congested areas.»



Filip Bert, Dictaphone Group, Julian Hetzel, Anna Konjetzky, Levent Kunt,  Marcia Lança, Katrina Neiburga e Christine Umpfenbach, son:DA e o trio: Michael Hieslmair, Carolin Hirschfeldt. Michael Zinganel; formam o elenco Cityworks do Spielart13.

Salienta-se desse conjunto de colectivos e artistas, a presença de um grande número de participantes do Global City Local City Lab, conjunto de residências artísticas realizadas ao longo do último ano em várias cidades europeias, passando também por Lisboa com a cobertura da Stress.fm.


Márcia Lança (com Ana Rita Teodoro) apresentou no Cityworks: 9 Possible Portraits, performance que relata a sua experiência pessoal nas residências Global City Local City; com nove possibilidades de interpretação para cada uma das cidades da residência: Utrecht, Riga, Maribor, Munchen, Derry, Lisboa, Helsinquia, Tallin e Londres; num total de 126 apresentações no Spielart13. Destiny is a Construction é a proposta de Lisboa, centrada na realidade de Santa Filomena realizada a partir das memórias de ruina da destruição do bairro.