GROOVIE RECORDS apresenta: “PORTUGAL ELÉCTRICO! – ContraCultura Rock em Portugal 1955-1982”


 
Com lançamento previsto para o dia 15 de Dezembro de 2013, PORTUGAL ELÉCTRICO!– Contra Cultura Rock em Portugal 1955-1982 vai preencher uma lacuna inexplicável da história do Rock português do século XX. A Groovie Records tem já disponiveis 100 cópias do livro, numa edição limitada acompanhada pelo EP de OS TUBARÕES/OS DARDOS (exclusivo às pré-orders).
 
O livro estará à venda na loja e no site da Groovie Records. Para mais informações e para compra desta primeira série limitada: contact@groovierecords.com.

"Durante quase uma década, os investigadores musicais Edgar Raposo e Luis Futre estiveram envolvidos numa longa pesquisa à qual o público poderá agora ter acesso com a edição do livro PORTUGAL ELÉCTRICO! – Contra Cultura Rock em Portugal 1955-1982. Trata-se do maior levantamento discográfico deste género alguma vez realizado no nosso país e que resulta da necessidade em compilar e proteger a memória de uma cultura musical única e desconhecida. 
 
Com lançamento previsto para o início de Dezembro próximo, o livro é uma antologia visual do Rock´n´Roll português sem precedentes. É a mais extensa e relevante recolha de documentação - grande parte dela inédita - contemplando fotografias, capas de discos e outros documentos que revelam uma parte da história musical portuguesa desconhecida, até agora, pelo grande público.

PORTUGAL ELÉCTRICO! revela o universo do Rock português entre 1955 e 1982, com destaque para as bandas que viviam e atuavam nas ex-colónias Portuguesas, a British invasion, os primeiros concurso de “Yé Yé”, o  psicadelismo dos anos 60, o Rock progressivo, os primeiros festivais de música da década de 70 e o surgimento do punk

Estamos aqui a revelar uma história obscura da música portuguesa, ao mostrar que havia grande produção musical de  rock n´roll, antes do 25 de Abril. Muita gente acha que as manifestações de rock só começam a existir, de facto, a  partir dos anos 80, com o boom do rock Português, e o nosso trabalho acaba por desmistificar esta ideia, que é absolutamente falsa”, relata Edgar Raposo, uns dos autores do livro.
 

Para além de centenas de fotografias da cena musical, cartazes, capas de revistas  e outras raridades, são reveladas mais de 500 capas de discos, a cores, de bandas conhecidas como Quarteto 1111, Ecos, Steamers, Daniel Bacelar, Conjunto Mistério e Os Jets, entre outras mais obscuras como Evolução, Os Vodkas, Mechanical Dream e Toni Araújo. Além disso, o livro divulga várias capas de discos de edições feitas em Portugal nas décadas de 50, 60 e 70, de bandas estrangeiras como Rolling Stones, Seeds, Zombies, The Doors, Jimi Hendrix, The Who, entre outras. 

Para além dos nossos próprios acervos pessoais, ao longo destes anos, levámos a cabo uma pesquisa muito extensa que nos levou ao contacto com dezenas de importantes colecionadores de música portuguesa em Portugal e no estrangeiro, que gentilmente partilharam os seus acervos, o que torna esta pesquisa ainda mais especial e diferenciada face a qualquer outro levantamento que se tenha notícia, conta Luis Futre. Entre eles, estão os inestimáveis materiais dos míticos Joaquim Costa e Victor Gomes, pioneiros do rock Português, nunca expostos publicamente.
Victor Gomes

Com um design gráfico inspirado no espírito Do It Yourself, que reflete também em grande parte o espírito da própria investigação, realizada sem quaisquer apoios, PORTUGAL ELÉCTRICO! conta com a participação de textos do investigador musical João Carlos Callixto, Afonso Cortez, Luís Piedade, além de Paulo Furtado (Legendary Tiger Man) e Daniel Bacelar.

O livro, que será uma edição bilíngue em português/inglês, através das suas 160 páginas, traça um divisor de águas na História do Rock Português conhecida até então, ao revelar todo este universo perdido e desconhecido.  Um oásis não apenas para colecionadores e aficionados do género, mas para o público em geral, em Portugal e no estrangeiro, onde algumas das bandas nacionais têm mais seguidores do que no seu próprio país."